quarta-feira, 28 de março de 2012

10 Dicas para aprender a tomar decisões corretas!

Um dos maiores problemas de líderes e empreendedores é saber quando e como tomar uma decisão correta. Muitos são infligidos por dúvidas e incertezas que os tornam inseguros na hora de tomar decisões importantes.
Segue abaixo um trecho do livro Vai dar certo de Jael Coaracy que nos dá dicas de como tomar decisões acertadas!
1 – Definir o problema, buscar informações sobe o assunto, identificar as possíveis soluções, desenvolver alternativa se avaliar cada uma delas para escolher a melhor.
2 – Considerar o bem-estar e as necessidades de todos os envolvidos na questão, tanto no presente, como no futuro.
3 – Estar consciente de que é responsável por suas escolhas. Ser responsável é correr riscos calculados, sabendo que ninguém acerta todo o tempo.
4 – Ter clareza sobre o que é melhor para você e para os outros dos pontos de vista físico, mental, emocional e espiritual.
5 – Não levar as coisas para o lado pessoal. Quem leva tudo para o lado pessoal tem tendência de responder emocionalmente as situações. As pessoas fazem por questões que dizem respeito a elas, não a você.
6 – Quando em duvida, abster-se. Esse princípio difundido ao logo dos tempos fala sobre as circunstâncias em que a melhor ação é a não ação. Uma vez que uma ação posta em movimento, não há como escapar de seus efeitos. Por isso se não estiver seguro sobre fazer ou não algo, não o faça.
7 – Confiar na sua intuição e sentir a confiança e o bem estar que seguem uma decisão acertada.
8 – Conhecer suas limitações e não permitir que elas influenciem suas decisões. Busque orientação interna e externa até ter convicção da melhor atitude a tomar.
9 – Não deixar que a opinião e a expectativa dos outros influam em suas decisões, mas fazer as escolhas a partir da sua verdade interior.
10 – Ter uma atitude positiva e confiar na sua habilidade ara decidir o melhor.

Fonte: http://sucesso.powerminas.com/10-dicas-para-aprender-a-tomar-decisoes-corretas

terça-feira, 27 de março de 2012

Dicas de Sucesso – Estabeleça objetivos e realize sonhos!

Todos nós temos sonhos, desejos íntimos inabaláveis que nos acompanham no decorrer da vida. Todavia muitas vezes nos perdemos no oceano das tarefas diárias e problemas urgentes sendo impedidos de navegar em direção a eles.
Como sair dessa situação? Como concretizar aquele tão sonhado lugar ao sol que todos almejam. Todos querem seu quinhão de felicidade, mas a verdade é que poucos de nós chegamos lá. A única forma de não ser mais um no meio da multidão de desesperançados que abandonaram seus objetivos por uma vida monótona e sem grandes alegrias, é lutar para concretizar esses sonhos.
E como fazer para que sonhos se transformem em realidade? A primeira parte do processo é definir seus objetivos, transformando seus sonhos em metas e realizá-los com garra e determinação, etapa por etapa até alcançar o objetivo maior.
Abaixo seguem um pequeno trecho do livro VAI DAR CERTO de Jael Coaracy que nos dá dicas para realizar essa árdua tarefa:

Definindo objetivos

Um objetivo eficaz é aquele que depende só de você. Atrelar um objetivo à vontade de uma outra pessoa ou a circunstancia externa é uma forma de se sabota. Você pode ter o objetivo de se tornar diretor de uma empresa. Pode desejar casar e ter uma família. Também pode ter o objetivo de fazer amigos e se divertir.
Se desejar ser diretor da empresa, será preciso fazer um planejamento de carreira, adquirir as habilidades que lhe darão credibilidade, visibilidade e confiança necessárias ao cargo. Mas não poderá depender de outra pessoa para isso. Pode ser que o seu objetivo se concretize numa empresa diferente daquela em que trabalha atualmente, por exemplo. Estar preparado e disposto a construir a oportunidade que deseja é parte do processo de alcançar seu objetivo.
O mesmo acontece com quem deseja casar e ter uma família. Você pode se preparar para isso, crescendo internamente, desenvolvendo inteligência emocional e tornando-se confiante e atraente.
Se não souber o que deseja de um relacionamento e quais os valores fundamentais que busca no parceiro, poderá fazer escolhas erradas que não resultarão em relacionamentos felizes…

Checando seus objetivos

A capacidade de reestruturar um objetivo requer flexibilidade. A flexibilidade permite que você escolha uma outra forma de realizar o seu objetivo, quando uma circunstância nova se coloca entre você e a concretização da meta estabelecida.
Verifique se seus objetivos estão alinhados aos seus valores. Valores são ponto de referencia e estão relacionados com o que consideramos fundamental na vida. Se os seus valores estiverem em conflito com seus objetivos, não conseguirá se mover na direção desejada.

Apaixone-se pelo seu objetivo.

Motivação é a chave do sucesso. A paixão faz com que se tenha acesso a grandes doses de energia para se mover na direção da sua meta. Uma pessoa motivada pode superar obstáculos e desafios.
Visualizar seu objetivo concretizado o ajudará a manter o foco e a ter controle sobre as próximas ações.
Coloque num lugar bem visível um quadro com seu objetivo desenhado. Anote, passo a passo, ações necessárias, pondo uma data ao lado de cada uma delas. Desenhe um gráfico, coloque  uma figura que represente seu objetivo conquistado, escreva frases que o motivam, mantenha um registro das ações realizadas. Essas ferramentas irão apoiá-lo em todas as fases até atingir seu objetivo.
Assim como uma fabrica tem uma linha de produção composta por várias etapas até chegar ao produto final, uma meta precisa ser dividida em submetas para que a mente tenha clareza do caminho a percorrer, a fim de produzir o resultado desejado.
Se desejar alcançar vários objetivos ao mesmo tempo, poderá ficar preso a sensação de que há coisas demais para fazer, e desistir.
Pessoas que querem tudo ao mesmo tempo passam de um objetivo a outro, mentalmente, sem concentrar a energia na realização de qualquer um deles. Mire  um objetivo de cada vez e tome as ações necessárias.

Fonte: http://sucesso.powerminas.com/dicas-de-sucesso-estabeleca-objetivos-e-realize-sonhos

domingo, 25 de março de 2012

sábado, 24 de março de 2012

Mensagem


"Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças".

Fonte: Trecho do livro, Quem pensa enriquece

Liderança – Os principais atributos para a liderança



  1. Coragem inabalável: baseada no autoconhecimento e na familiaridade com a própria ocupação. Nenhum seguidor deseja ser subordinado a um líder sem autoconfiança e coragem. E nenhum líder desse tipo consegue reter com sucesso por muito tempo um seguidor inteligente.
  2. Autocontrole: O indivíduo que não consegue se controlar jamais poderá controlar os outros. O autocontrole constitui-se num poderoso exemplo para os seguidores inteligentes.
  3. Agudo senso de justiça: Sem imparcialidade e justiça, nenhum líder consegue comandar e manter o respeito de seus seguidores.
  4. Firmesa de decisão: O indivíduo que oscila em suas decisões mostra que não está seguro de si. Não pode liderar outros com sucesso.
  5. Definição de planos: O líder bem-sucedido precisa planejar seu trabalho e cumprir o planejamento. O líder que aje por conjecturas, sem planos práticos definidos, é comparável a um navio sem leme. Mais cedo ou mais tarde vai bater nas rochas.
  6. Hábito de dar mais do que recebe: Um dos ônus da liderança é a necessidade do empenho, por parte do líder, em fazer mais do que ele próprio solicita de seus seguidores.
  7. Personalidade agradável: Nenhuma pessoa negligente e desinteressada pode tornar-se um líder bem-sucedido. Liderança implica respeito. Os seguidores não respeitam um líder que não seja altamente qualificado em todos os fatores que constituem uma personalidade amistosa e gentil.
  8. Solidariedade e compreensão: O líder de sucesso precisa ser solidário, compreendendo os seguidores e seus problemas.
  9. Atenção aos detalhes: Uma liderança bem-sucedida envolve atenção aos detalhes da posição do líder.
  10. Determinação de assumir plena responsabilidade: O líder bem-sucedido deve estar disposto a assumir a responsabilidade pelos erros e deficiências de seus seguidores. Se tentar transferir essa responsabilidade, não permanecerá como líder. Se um de seus seguidores cometer um erro e mostrar-se incompetente, o líder precisará considerar a falha como sendo sua.
  11. Cooperação: O líder de sucesso precisa compreender e aplicar o princípio do esforço cooperativo, bem como ser capaz de induzir os seguidores a fazerem o mesmo. Liderança implica poder, e poder envolve cooperação.


Fonte: Trecho do livro, Quem pensa enriquece.

Video Motivacional - A ponte.

A Ponte
História de um homem que teve que escolher entre a vida do filho e a de centenas de pessoas dentro de um trem. O filme representa o amor incomparável de Deus por nós.
Cenas do filme "most" (ponte em Tchecko). Para adquirir uma cópia do filme original visite www.Mostthemovie.com.


O que nos habilita a liderar?

Você já se perguntou sobre que habilidades uma pessoa deve deter para liderar com sucesso?

Você já se perguntou sobre que habilidades uma pessoa deve deter para liderar com sucesso? Muita gente deseja desenvolver habilidades de liderança, mas nem sempre é uma tarefa fácil. A condição de líder não é fruto de eleição, nomeação ou qualquer outro atributo do gênero. Não importa a posição, classificação, título, idade, nacionalidade, raça, cor ou credo. Nada disso qualifica ninguém para liderar outras pessoas. O direito de conduzir não é uma atribuição, é uma conquista que pode levar muitos anos para ser alcançada. Para se tornar um líder admirado e respeitado não se deve concentrar-se em fazer as pessoas seguirem você, mas em tornar-se o tipo de pessoa que a maioria queira seguir.
É bom saber que qualquer um poderá, com interesse e dedicação, desenvolver as habilidades de bom líder. Basta querer, agir alinhado com os seus princípios, sem se preocupar tanto com o passado e futuro. Para Oliver W. Holmes: “O que existe atrás de nós e o que existe à nossa frente são problemas menores, se comparado com o que existe dentro de nós”.
Para o famoso escritor John C. Maxwell, que já vendeu mais de 18 milhões de exemplares, em seu livro The Right to Lead, seguindo algumas dicas simples, como as abaixo citadas, podemos nos tornar líderes melhores.

1 – Cuidado com o seu ego
Os líderes verdadeiramente grandes não estão na liderança para ganho pessoal. Eles estão lá para servir os outros.

2 – Primeiro, seja um bom seguidor
Instituições como Academias Militares ensinam como se tornar bons seguidores. A maioria dos líderes eficazes aprende primeiro a se tornar bons seguidores.3 – Mantenha relacionamentos positivos
Liderança é influência, nada mais, nada menos. Isso significa que é por natureza relacional. Hoje, a geração de líderes parece particularmente consciente do seu título e posição, pois significa pouco para eles. Verdadeiros líderes sabem intuitivamente que as pessoas vão junto com outras pessoas que deseja conviver.

3 – Trabalhe duro, mas de forma direcionada e inteligente
Ninguém respeita e segue a mediocridade. Líderes que querem ganhar o direito de conduzir devem trabalhar duro, de forma direcionada e inteligente. Eles trazem em jogo não só as suas habilidades e talentos, mas também uma grande paixão pelo trabalho.

4 – Confie na disciplina, não na emoção
Na bonança, a liderança parece fácil. Quando a turbulência surge, quando tudo parece estar contra você é que você ganha o seu lugar como líder. Em todas as épocas, os líderes enfrentam momentos cruciais, quando tiveram que optar entre preparar-se ou desistir. As ações ligadas à disciplina e não a emoção que garante a boa liderança. 6 – Crie metas inteligentes e valorize-as
Quando olhamos para líderes, cujos nomes são venerados por muito tempo, depois de terem saído de cena, quase sempre constatamos que eles ajudaram as pessoas a atingirem o seu potencial e a viverem melhor. A maior vocação da liderança é ajudar as pessoas a conseguirem o que mais desejam.

5 – Não seja egoísta: compartilhe o poder
O líder não pode se isolar. Ele precisa aprender a compartilhar. Você está destinado a ser um rio, não um reservatório. Se você usar seu poder para capacitar outros, a sua liderança irá conquistar muitos seguidores.
Mas, lembre-se de que não basta explorar seus mundos e palavras para se tornar digno de seguidores. Liderança não se aprende ou aprimora rapidamente. É como diz o ditado: “levam-se muitos anos para fazer sucesso do dia para a noite”.

Fonte: http://sucesso.powerminas.com/sucesso-lideranca-o-que-nos-habilita-a-liderar/

Fonte: Rh Portal

Líderes não criam seguidores, criam mais líderes.

Um número grande de líderes antiquados mede a sua influência pelo número de seguidores que diz ter. Mas os maiores líderes são os que não têm seguidores. É só pensar em Martin Luther King Jr. ou Nelson Mandela. Eles procuravam mais líderes, para que pudessem transmitir-lhes o poder de descobrir e criar os seus próprios destinos.

O lider fantástico!

Video sobre liderança.


Liderança – Dificuldades na comunicação.

A cada dia que passa, mais vemos caminhos para o desenvolvimento de líderes no mercado de trabalho. Felizmente, hoje é relativamente fácil buscar por alternativas para formação e desenvolvimento da liderança, que traz consigo a necessidade de capacitação e de amadurecimento de diversas competências do líder, tais como: o foco em resultados; o trabalho em equipe; a visão estratégica; o relacionamento interpessoal, a comunicação etc. No entanto, participar de treinamentos técnicos e vivenciais, estudar as teorias de liderança, fazer parte de programas de coaching ou todas as alternativas anteriores e mais algumas, jamais serão suficientes para garantir a realização de ações concretas, que não só validem a liderança de alguém, mas que também tragam maiores resultados para a organização. Segundo as palavras do filósofo chinês Lao Tsé, Saber e não fazer, ainda não é saber.
De muitas competências um bom líder é feito. Hoje, gostaria de concentrar o texto especialmente na comunicação e nas dificuldades que algumas pessoas possuem nesta competência, o que pode comprometer a relação de líderes e equipes.
Comunicar seja o que for – um projeto, uma tarefa, um resultado etc. – é algo que requer atenção no envio da mensagem e na percepção sobre o entendimento do outro.
Quem nunca teve a sensação de explicar algo da melhor forma possível, e percebeu depois que o outro entendeu de maneira totalmente diferente a mensagem inicial? E quantas pessoas não tiveram ou ainda têm um gestor que se comportou da mesma forma? E, se este gestor simplesmente se nega a reconhecer o erro na mensagem enviada por ele, muitas vezes usando seu poder para “culpar” um subordinado por um ruído na comunicação? Estas situações que percebemos como clichês ainda acontecem… Não é?
Muito bem, erramos. Sim, somos humanos e vamos errar sempre. Faz parte da trajetória. Comunicamos da melhor forma que podemos e o outro tentará entender a mensagem da melhor forma que puder. A questão é o que fazemos com tal dificuldade quando estamos numa posição de liderança. O líder precisa lembrar que o responsável pela mensagem é o emissor e não o receptor. E o que o receptor fará depois com a informação deve ser acompanhado por ele.
Pessoas com dificuldades de comunicação podem passar por situações extremamente embaraçosas, mas se uma destas pessoas é líder de equipe, precisará de uma boa dose de autoconhecimento e humildade para lidar com a questão, de forma a não afetar sua imagem perante os demais nem quebrar a confiança estabelecida, seja com quem for. A pior coisa que pode acontecer a quem lidera é ter uma imagem de pessoa pouco confiável, do tipo que fala uma coisa e depois diz que falou outra. Por mais que seja inocente em suas ações, certamente ficará marcado. Talvez, o caminho seja mostrar-se aberto ao feedback de quem está próximo, seja ele seu líder, seu par ou seu subordinado. Quem está perto pode nos ensinar muito sobre nós, já que muitas vezes não fazemos ideia de nossas necessidades de desenvolvimento.
Quando, por qualquer razão, orientamos nossa equipe ou interagimos com nossos líderes, parceiros ou clientes de forma errada, o caminho mais simples e honesto é clarificar o erro, assumindo-o e seguindo em frente, com especial atenção para não acontecer novamente. Afinal, ninguém deseja errar, muito menos no trabalho. Não é proposital.
Assumir um erro não é uma questão de perda de poder, mas de maturidade, de senioridade. É algo esperado em pessoas que ocupam o lugar de líder. Quando nos comprometemos com algo como liderança de pessoas, é preciso construir a confiança. Ela é complexa, criada a duras penas, às vezes, e pode ser destruída rapidamente.
Portanto, se você é líder e precisa orientar alguém, tenha certeza de que a pessoa compreendeu o que você disse. Pergunte o que ela entendeu após a explicação. Não como um orientador retrógrado, arguindo o aluno de maneira autoritária, mas como um líder parceiro que precisa saber se foi claro nos pontos em que precisava ser.
Se você está lidando com clientes internos ou externos e precisa fechar um acordo, ao final da conversa, retome os pontos alinhados, pergunte se restou alguma dúvida e repita o que você acordou com eles. Se você está alinhando um projeto com um par, faça o mesmo. Não deixe para o outro interpretar uma expressão, um olhar diferente, ou adivinhar seu pensamento. Ele não conseguirá fazer isso e vocês terão problemas muito em breve.
Expressões do tipo Você entendeu o que eu quis dizer, não é?” não são produtivas. Às vezes, o outro pode dizer que entendeu para não parecer pouco inteligente, ou mesmo para não contrariá-lo. Pergunte o que ele entendeu, literalmente. Se houver algum ruído, poderá ser tratado aí.
E caso não tenha jeito e a informação tenha seguido até o outro com erro, quando você perceber, diga o que aconteceu, assuma sua responsabilidade, resolva e siga em frente. Muitas vezes, não percebemos quando algo assim acontece. Então, fique atento aos feedbacks que recebe. Podem ser extremamente úteis para permitir que você se conheça um pouco mais. E se lembre: uma vez destruída a confiança entre um líder e sua equipe, retomar esse processo de construção não será como da primeira vez. E talvez não haja uma segunda chance. Fique atento.


Fontes: http://sucesso.powerminas.com/lideranca-dificuldades-na-comunicacao/

A arte de oferecer e de receber feedback é…

1 – Perguntar “Você me permite fazer algumas observações sobre o modo como eu vejo sua forma de…? é uma maneira de demonstrar respeito além de deixar clara sua intenção ao dar feedback.
2 – Saber que feedback positivo é aquele em que a informação é expressa sem ferir o orgulho do outro. Você pode transmitir sua mensagem sem provocar resistência ou gerar ressentimentos. Todo ser humano responde melhor a estímulos positivos do que a criticas negativas.
3 – Perceber quando seu feedback não é desejado e respeitar isso. Esperar pelo momento oportuno é um dos requisitos para a arte de dar e receber feedback.
4 – Jamais usar feedback para atacar alguém pessoalmente. Fazer isso e uma forma de agressão com o pretexto de dar retorno. As pessoas não são seu comportamento. O fato de alguém ter um comportamento inadequado não faz dele uma pessoa inadequada.
5 – Observar seu corpo e aprender a perceber o que ele diz. Febre, gripe, cansaço constante e outras expressões de desequilíbrio energético podem estar apontando para comportamentos que precisam ser mudados na vida. Considere essas informações e tome uma atitude.
6 – Oferecer feedback com intenção clara e positiva de ajudar a outra pessoa. Use uma linguagem adequada e se certifique de que a outra pessoa entendeu sua intenção. A não ser que tenha como finalidade contribuir com o outro, abstenha-se de falar.
7 – Não criticar. Limite-se a informações sobre a forma como você percebe o que aconteceu. Não interprete, seja descritivo e fique com os fatos concretos.
8 – Manter a atenção para não cometer o erro de dar feedback subjetivo, comentando o que imagina estar acontecendo.
9 – Demonstrar que você se importa. Relacione suas palavras a comportamentos específicos. Se seu funcionário não tiver comprido o prazo para completar a tarefa, descreva o que aconteceu e mencione apenas eventos relacionados a isso. Por exemplo: “Nós estabelecemos o prazo máximo para a entrega do relatório no dia 10 desse mês e estamos no dia 14 e você não concluiu a tarefa, As consequências do atraso para a empresa serão X”. fale olhando nos olhos e tenha certeza de que o feedback ocorre somente entre você e a e pessoa em questão.
10 – Pedir informações e detalhes sobre os pontos com os quais está em desacordo antes de sair dando feedback negativo indiscriminadamente. Oferecer ideias para que a situação possa ser resolvida . É fácil apontar falhas e defeitos, mas, se não estiver disposto a colaborar, não saia falando mal.
11 – Evitar todo tipo de comentário  que diz respeito á pessoa e não ao comportamento em questão.
12 – Manter uma atitude receptiva e desarmada. Fique com o que considerar relevante e pergunte a si próprio de que forma poderá usar essas informações para alcançar seus objetivos.
13 – Saber que você não precisa aceitar feedback indiscriminadamente, e poderá recusa-lo sempre que ele não for dado com respeito e como expressão de apoio.
14 – Não permitir que o orgulho e a vaidade o impeçam de aproveitar o feedback para crescer e melhorar.
15 – Ouvir com atenção e sempre procurar compreender o significado do feedback
16 – Manter a neutralidade em relação ao feedback que recebe. Substituía o impulso de defender ou justificar suas atitudes pela disposição de crescer com ele.
17 – Checar o feedback obtido e considerar somente o que reconhecer como verdadeiro.
18 –  Mudar o que estiver fazendo sempre que necessário para poder seguir na direção dos seus objetivos.
19 – Mostrar apreciação e reconhecimento pela pessoa que traz feedback para você. Só alguém que se importa o bastante faz isso.

 O homem superior age antes de falar e fala de acordo com sua ação.


Fonte: http://sucesso.powerminas.com/19-dicas-de-como-oferecer-e-receber-feedback/

O combustível chamado Feedback.


     O homem em geral é um animal que necessita viver em comunidade. Seu sucesso de vida depende obviamente de si mesmo, porém ele não consegue ser quem é se não relacionar-se com outras pessoas. A convivencia de um homem em determinada sociedade é que moldará quem ele será no futuro, ele acertará mas também errará e diferente do que a maioria das pessoas pensam, ele não aprenderá com seus erros, mas sim com as correções deles.
     Quem nunca ouviu o dito pular: "Falem mal, mas falem de mim"? Então, o homem tem essa necessidade de receber retorno de suas atitudes, seus feitos e seus erros também. Isso é pra mim o Feedback, com estes retornos as pessoas podem se direcionar, terem um norte para aquilo que elas estiverem fazendo. Seja no meio social, no trabalho, na igreja ou na escola. Não importa onde, desde que ele tenha e receba feedback.
     O Feedback é uma forma de motivação de equipe, onde um gestor pode e deve mostrar aos colaboradores, onde estão acertando, onde estão errando. Deve mostrar também aos colaboradores, onde eles podem chegar com seus acertos e como corrigir seus erros. Isso proporciona:

1.Melhor relacionamento do gestor com seus subordinados;
2.Maior interação entre a equipe;
3.Confiança e liberdade de ambos os lados;
4. Flexibilidade.

     Considere sua vida profissional como se fosse um balde, neste balde deve ser depositado um combustível que se chama feedback, esse combustível deve ser depositado com certa frequência, e com o passar do tempo, se não for colocado no balde, o balde simplesmente fura. Mas o que eu quero dizer com isso? Imagine um colaborador seu, que era o melhor funcionário da sua equipe, era o que melhor produzia tanto em quantidade quanto em qualidade, de repente ele simplesmente muda sua postura, começa a chegar atrasado, compromete o resultado da equipe, muda completamente seu comportamento.
Quando foi a última vez que vocês conversaram?
Quando foi mostrado a ele, sua importância no conjunto, a importância do seu trabalho?
O assunto é um tanto complicado, porque seu "balde pode estar furado" e se isso acontecer, você deverá trabalhar intensamente, depositando litros e litros de combustível, até que restabeleça confiança, relacionamento, liberdade e flexibilidade.


http://gestaoabessa.blogspot.com

Gestor Eficaz


 
 Existem basicamente 4 principais saberes de um Gestor Eficaz: saber liderar, saber motivar, saber delegar e saber transformar estratégia em resultado.

Não adianta falar de planos, planejamento ou comprometimento sem antes conquistar a confiança das pessoas, criar um ambiente fértil para a motivação crescer forte e delegar as responsabilidades para as pessoas certas. Aí sim o gerente estará pronto para transformar todo o planejamento em resultado.


Mais do que um capataz com poder, que só dá ordens para os seus colaboradores, o gerente de verdade faz cada liderado acreditar no que ele acredita, a sonhar o seu sonho.


Saber Liderar


Existem chefes e existem aqueles que lideram. Os chefes têm uma posição de poder, ou autoridade. Mas aqueles que nos lideram de verdade , nos inspiram e  nós os seguimos não porque temos que seguir, mas porque queremos seguir.  Numa empresa todos sabem o que fazer, muitos sabem como fazer e quase ninguém sabe o porquê fazer. Os líderes que começam com o “porquê” são os que mais conseguem inspirar todos à sua volta. Os líderes de verdade fazem cada liderado acreditar no que ele acredita, a sonhar o seu sonho.


Saber Motivar


Chega de relacionar motivação apenas a prêmios, ações isoladas ou campanhas passageiras. Envolver e motivar as pessoas é uma questão de atitudes do dia-a-dia. Existem dezenas de cenas mostrando na prática as situações que agem como estimulante ou desestimulante para os funcionários.


Saber Delegar


Duas situações comuns entre muitos líderes são o medo de delegar e ter a tarefa mal realizada, por isso centralizam as atividades. Ninguém no mundo faz as coisas exatamente como você. Pode fazer melhor, pode fazer pior, mas igual, não existe. É uma tendência natural dos líderes quererem que seus liderados façam as coisas exatamente de uma determinada maneira: a sua maneira. Então procure: passar as informações necessárias, estabelecer prazo, escolher a pessoa certa, criar pontos de controle.


Estratégia x Resultado


É comum ouvirmos: “a estratégia era boa, mas foi mal implementada”. Isso está errado. Não há boa estratégia desassociada da boa implementação. Estratégia, no sentido que importa, é implementação. Resultado é fazer o cliente optar por você e não pelo concorrente.


Fontes:

1 - Saber Liderar - Vídeo Sangue, Suor e Lágrimas – conquistando o coração das pessoas.

2 - Saber Motivar – Vídeo Motivando Pessoas, 18 técnicas que podem motivar ou desmotivar os seus funcionários.

3 - Saber Delegar – Vídeo Aprendendo a Delegar.
4 - Saber Transformar Estratégia em Resultado – Vídeo Transformando a Estratégia em Resultado.

Tudo começa na liderança.


Num ambiente coorporativo altamente dinâmico e competitivo como o nosso, para obter sucesso, as organizações precisam realizar investimentos em tecnologia de ponta, matéria-prima, máquinas e equipamentos, que sem dúvida alguma, são aspectos que favorecem o aumento da rentabilidade e sustentabilidade da empresa. Porém, o que determinará efetivamente o sucesso de uma organização, são as práticas, políticas e ações de gerenciamento das pessoas que ela aplica, pois são as pessoas o maior e mais importante ativo de qualquer organização.

São as pessoas que possuem inteligência e capacidade de transformação, sendo as principais responsáveis pelos resultados da organização. Assim, para gerenciar pessoas é pré-requisito ser líder.

Eu diria que tudo começa na liderança. Já ouvi dizer que as pessoas não se demitem das empresas, se demitem de seus chefes.

Então, a reflexão que proponho é a seguinte: Que atitudes estou tendo que favorecem ou não a retenção das pessoas da minha equipe?

Sou um líder atuante? 
Consigo dar suporte à minha equipe sempre que eles precisam de mim?
Estou disponível para atendê-los quando necessário? 
As pessoas têm as respostas que precisam em tempo hábil? 
Sou respeitado como gestor? 
As pessoas me percebem como uma referência de liderança dentro e fora da organização? 
Sei o que se passa dentro da minha equipe, que problemas acontecem? 
Tenho dedicado tempo e atenção à minha equipe, auxiliando-os na solução destes problemas?

Lidero pelo exemplo? 
Me preocupo com minha postura diante da equipe, seja no meu jeito de vestir, falar ou na forma como me comporto na empresa, como me refiro às pessoas de um modo geral (clientes, fornecedores, parceiros, funcionários de outras equipes ou departamentos, etc.)? 
Cumpro prazos estabelecidos? 
Sempre faço aquilo que combinei? ou vivo inventando justificativas para o que não dei conta de fazer?

Entreguei às pessoas uma missão? 
As pessoas da minha equipe estão bem orientadas e sabem o que fazer? 
Elas tem diretrizes bem definidas dentro da organização ou saem fazendo o que aparece pela frente sem a menor organização ou senso critico do que precisa ser entregue? 
Eles tem consciência da importância do cliente para nossa organização? 
Que valores norteiam as nossas ações? 
Eu trabalho alinhado com estes valores, servindo como exemplo para minha equipe?

Enfim, não adiantará ter cargos bem definidos, pessoas talentosas, competentes e bem treinadas, ou um pacote de benefícios atrativo; sem um verdadeiro líder, capaz de entregar à estas pessoas uma missão. As pessoas precisam disso: Um líder para seguir e uma “bandeira” para carregar.

Pense nisso!


Fonte: http://cristinaeustaquio.blogspot.com

A liderança como ferramenta de comunicação nas organizações.


Liderança. Esse é um dos temas mais procurados e discutidos no mundo corporativo da atualidade. Na sua essência, o termo “liderança” está relacionado à capacidade de influenciar pessoas, de conduzi-las à realização de um determinado objetivo.
A comunicação está no núcleo da liderança e da gestão empresarial, uma vez que consiste em um relacionamento interpessoal no qual, através do processo comunicativo, os líderes procuram influenciar pessoas a realizarem suas atividades na empresa e a se engajarem na consecução dos objetivos e metas traçados no planejamento estratégico.
Neste contexto, a comunicação precisa passar a ser encarada como uma ferramenta estratégica para o exercício da liderança e, conseqüentemente, para a gestão dos negócios, onde se faz cada vez mais necessária a compreensão, a participação ativa e o envolvimento dos líderes empresariais no processo da gestão da comunicação e do conhecimento.
Pela própria natureza da relação, os funcionários tendem a classificar suas lideranças como os principais canais de comunicação da empresa. É do líder que as pessoas esperam receber as informações “oficiais” da organização. É no líder que os colaboradores procuram esclarecimentos sobre os rumores e boatos que rondam o ambiente empresarial. É no líder que as pessoas acreditam, pois o líder representa a empresa na mente dos empregados.
É por isso que costumo dizer que a maneira de ver de um líder, a maneira como ele percebe e como transmite as decisões da empresa interfere diretamente na percepção dos funcionários. O modo como uma pessoa ou empresa se comunica com seus interlocutores interfere diretamente no desempenho e nos resultados.
A comunicação é o espelho da cultura organizacional e se reflete no processo de gestão, de modo que, se as lideranças de uma empresa não se comunicam com eficácia, a empresa certamente não se comunicará muito bem. Não é difícil perceber que hoje muitos dos problemas organizacionais decorrem justamente da ineficácia de comunicação de suas lideranças.
O problema é que poucas organizações estão de fato preocupadas em preparar e desenvolver suas lideranças para serem capazes de transmitir o pensamento e a ação da empresa, destacando, com clareza e franqueza, as informações mais importantes e os conceitos que precisam ser absorvidos na mente dos funcionários. Entendendo a comunicação como competência da liderança, cabe ao líder, não apenas o papel de repassar um alto nível de informações para a sua equipe, mas fazer com que essas informações se transformem em conhecimento e isso gere comprometimento e resultados para a empresa.
Nesta perspectiva, a comunicação precisa ser compreendida como a linha mestra que gerencia a entrada e saída das informações no sistema-empresa e nos seus subsistemas-setores. Assim como o sangue tem que circular regularmente pelas veias e artérias para manter o corpo humano em pleno funcionamento, a informação e a comunicação devem fazer o mesmo pela empresa, através de suas lideranças, que assumem papel fundamental na gestão e partilha do conhecimento, sendo responsáveis diretos pela criação de um ambiente favorável ao comprometimento dos funcionários para o alcance dos objetivos organizacionais.
Tenho escutado muitos executivos se queixarem de que seus colaboradores não estão comprometidos e engajados com a empresa. Uma das principais causas desse problema é justamente a falta de comunicação, a escassez de informações por parte das lideranças. Sim, pois não acredito que nenhum funcionário irá se comprometer com aquilo que não conhece, com algo que não compreende ou com alguma coisa que não tenham razão para acreditar.
Ora, se o líder não mantém sua equipe constantemente informada, não partilha o conhecimento do que acontece na organização, não esclarece sobre os objetivos e metas a serem atingidos, se não administra o feedback do que foi realizado, se não está preocupado em alinhar os interesses da sua equipe com os interesses organizacionais, como podem gerar comprometimento nos funcionários?
Normalmente, os líderes falam “para” os funcionários ao invés de “ter uma conversa” com eles. Praticam uma comunicação unilateral, através de uma única via, sem o direito de resposta ao interlocutor, sem que haja espaço para o feedback, para a checagem se realmente houve entendimento. Alguns costumam falar muito e ouvir pouco. Muitos talvez não saibam que apenas 7% da comunicação está naquilo que a pessoa diz, enquanto que 38% está no tom de sua voz e que a parte principal da comunicação (55%) está no comportamento do indivíduo, no seu exemplo e na sua conduta enquanto líder e gestor de pessoas.
A escassez de tempo e a tecnologia que dominam o mundo dos negócios têm dificultado cada vez mais a comunicação face a face entre os líderes e seus subordinados, entre os líderes e suas equipes de trabalho. Hoje, as lideranças passam mais tempo despachando e-mails, enclausurados em suas salas, do que conversando com as pessoas. As decisões sobre os problemas da empresa são resolvidas virtualmente, muitas vezes sem tempo para a reflexão crítica sobre suas causas e conseqüências. Isso, quando não acontecem as “guerras de e-mails” entre as próprias lideranças, que, muitas vezes, estão separados apenas por uma parede de distância.
Onde está a comunicação face a face, cara a cara, superior e subordinado? Será que ela está sendo praticada pelas lideranças? Nada pode substituir a comunicação face a face dentro de uma organização, sem ela todo relacionamento será superficial, incompleto e com baixos índices de confiabilidade. É como namorar à distância, mandando recados virtuais, sem interagir. Será que esse relacionamento vai durar muito tempo? Será que há confiança neste tipo de relação? Será que as partes acreditam uma na outra? Será que há fidelidade nessa relação?
Tenho dito sempre que as lideranças se constituem na principal mídia, no principal veículo de comunicação de uma empresa, sendo responsáveis, ao mesmo tempo, pelo fortalecimento das relações e pelo comprometimento do público interno e pela percepção de valor por parte do público externo. O resto: e-mail, quadro mural, cartazes, folders, caixa de sugestões, etc., não passa de simples mídia de apoio, ou seja, serve apenas para reforçar aquilo que foi transmitido "em primeira mão" pelos líderes da organização.
O problema é que a grande maioria das empresas tem feito justamente o contrário. Coloca cartazes, manda e-mail, coloca avisos nos quadros, e acha que está se comunicando muito bem, obrigado! Será que estes instrumentos garantem a eficácia na comunicação com os funcionários? É possível mensurar os resultados conquistados pela empresa através destes veículos de comunicação? Será que estes veículos “frios” são capazes de gerar comprometimento?
A verdade é que muitas organizações ainda tratam a comunicação empresarial com superficialidade, esquecendo do quanto ela é estratégica para o negócio, esquecendo de desenvolver habilidades de comunicação nas suas lideranças. Na prática, dentro do ambiente organizacional, as empresas até percebem sua incapacidade de comunicação apontando-a, quase sempre, como um problema (“faltou comunicação”), mas poucas, poucas mesmo, conseguem enxergar que somente através dos líderes será possível fortalecer o relacionamento empresa-funcionário e criar um ambiente onde a gestão do conhecimento e o compartilhamento das informações sejam capazes de gerar a cooperação e o comprometimento dos colaboradores.
Não que seja assim tão fácil... Mas encarar a comunicação organizacional como estratégia do negócio e desenvolver competências comunicativas nos líderes pode representar o começo de um longo caminho na direção dos resultados.
E aí? Vai encarar?

Fonte: http://fabioalbuquerque.blogspot.com/2007/04/liderana-como-ferramenta-de-comunicao.html

Reflexão


sexta-feira, 23 de março de 2012

O poder da iniciativa – Aprenda a gostar de coisas que os outros detestam fazer.

Ser bom no que você faz e gostar de fazer coisas que os outros detestam lhe dará muitas oportunidades de ser um herói no trabalho.
Essa atitude inclui desde preparar atas de reuniões da equipe até fazer apresentações ou lidar com um cliente difícil. Tudo isso irá valorizar sua contribuição ao grupo e o ajudará a ganhar a admiração dos colegas e o respeito de seus superiores.
Tomar notas para o grupo em uma reunião é um bom exemplo. Poucas pessoas gostam de preparar atas de uma reunião, porém esse encargo é importante para ajudar a equipe a organizar seu trabalho. É, portanto, uma tarefa útil a ser assumida e oferece uma oportunidade de ampliar os itens de interesse especial para você e ajudar a elaborar as ações de acompanhamento que são necessárias.
Examinar currículos e propostas de emprego é outra tarefa que parece monótona, mas pode lhe dar uma idéia das contratações em potencial. Se você trabalha em vendas, precisa gostar de conversar com os clientes e de fazer trabalho burocrático. Para qualquer um, uma mesa ou qualquer outro lugar de trabalho bem organizado será sempre um trunfo.
Preste atenção na pessoa a quem você se reporta e ofereça-se para assumir as tarefas que ela detesta fazer. Você deve se interessar também por orçamento, compras e outras oportunidades para aprender, crescer e ganhar visibilidade na empresa.


Fontes: Livro Faça o que tem de ser feito, Bob Nelson
http://sucesso.powerminas.com/category/iniciativa-no-trabalho/

Motivação no trabalho – Pense em como as coisas podem ser melhoradas.

A maioria das ações começa com uma idéia,e você pode facilmente controlar essas idéias. No trabalho, tente pensar como poderá melhorar as coisas.
Comece por baixo. Pense como poderia organizar melhor seu trabalho, por exemplo. Chegue um pouco mais cedo para planejar o dia, antes que todos cheguem ao escritório. Quando lhe perguntarem alguma coisa, tente determinar a pergunta por trás dessa pergunta. Ofereça-se periodicamente para ajudar seu supervisor em alguma outra coisa. Tente descobrir as necessidades não declaradas daqueles que estão à sua volta para poder atendê-los e tornar o trabalho deles mais fácil.
Não pense que há uma única forma correta de realizar uma determinada tarefa. Não pense que as coisas devem ser necessariamente continuar a ser feitas como sempre foram. Não pense que as pessoas não vão se importar se as coisas forem feitas de uma forma melhor.
Dê pelo menos duas sugestões por semana no seu trabalho. Sugira como as coisas podem ser melhoradas, como o dinheiro pode ser economizado, ou como os processos podem ser simplificados. Mantenha o foco primeiro no seu próprio trabalho e, ao adquirir habilidade, confiança e respeito, passe a dar sugestões no seu departamento e, depois, na empresa como um todo. O sucesso só depende de você.

Fontes: Livro Faça o que tem de ser feito.
http://sucesso.powerminas.com/motivacao-no-trabalhopense-em-como-as-coisas-podem-ser-melhoradas/

quinta-feira, 22 de março de 2012

Por falar em pedras...

Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes,
mas não esqueço de que a minha vida é a maior empresa do mundo.
E que posso evitar que ela vá a falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e
se tornar um autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar
um oásis no recôndito da sua alma .
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um 'não'.
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.
Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo...

 Fernando Pessoa.

quarta-feira, 21 de março de 2012

O que é o sucesso?

Acima de tudo, o sucesso é ser feliz. Acreditar que você pode atingir seus objetivos, aproveitando recursos, correndo riscos, sendo bem-sucedido, é uma atitude que deve ser renovada todos os dias. Você pode, e deve, criar seu próprio sucesso!

A pirâmide do sucesso



John R. Wooden


Comentário: 
John R. Wooden afirma que o sucesso, em qualquer carreira, pode ser construído como um edificio, a partir da superposição de blocos de pedra com alicerces em duas virtudes: empreendedorismo e entusiasmo. 

Reflita!
Que iem falta na pirâmide? 

Dica:
Sem ele o prédio desaba...


Minha opinião:
Por mais que eu reflita e tome decisões de melhoria na minha "fábrica de blocos", ainda assim, nada substitui o feedback. Sendo ele verdadeiro, não apenas com palavras que queremos ouvir.

Giselle di Paula


A lição do abacaxi


Um funcionário com muitos anos de empresa estava irritado porque um jovem contratado a pouco tempo, foi indicado pelo patrão para uma vaga à qual o antigo empregado pleiteava. Essa vaga implicaria em aumento salarial e responsabilidades equivalentes. Esse funcionário se apresenta ao chefe, mas o patrão não permite que ele comece a expor o motivo de sua entrevista. Ao invés disso, o patrão faz um pedido:
- Há um vendedor de abacaxis parado aí do outro lado da rua. Veja quanto está o abacaxi.
A contra gosto e até um tanto indignado pelo estranho pedido, o funcionário foi e voltou quase uma hora depois, pois havia aproveitado para fumar, tomar café na padaria da esquina e conversar com conhecidos que passavam. Retornando este, o patrão perguntou:
- Qual é o preço unitário do abacaxi pérola?
- Não sei se era o pérola, mas o que ele tem lá custa R$3,00.
- Ele fornece para a empresa?
- Não sei.
O chefe pediu que o funcionário mais velho aguardasse e mandou chamar o mais novo. Apresentando-se este, o chefe pediu para que realizasse a mesma tarefa: saber o preço do abacaxi. Ele foi e voltou em menos de dez minutos. O patrão fez a mesma pergunta:
- Qual é o preço unitário do abacaxi pérola?
- São R$3,00.
- Ele fornece para a empresa?
- Sim. Dei meu cartão e fiquei com o contato dele.
- Ele oferece algum desconto?
- Para compras acima de 100 unidades ele oferece 20% de desconto para o pérola e 25% para o cayenne.
- Em quanto tempo ele entrega?
- Até as 08:00 do dia posterior ao pedido.
- Há mais alguma coisa que eu precise saber?
- Ele também fornece outras frutas e dá descontos conforme a fruta, a quantidade pedida e a disponibilidade.
Após essa última resposta, o chefe se dirige ao funcionário mais antigo e pergunta qual era o assunto do qual este queria tratar. O funcionário responde que não era importante e se retira, humilhado, mas tendo aprendido uma valiosa lição.
Hoje, se quisermos ir mais longe ou até mesmo permanecer onde estamos, não podemos nos acomodar. Não podemos ter medo de descascar abacaxis todos os dias. Muito pelo contrário: devemos tirar uma lição a cada machucado, pois nosso objetivo é tornar o abacaxi mais seguro para quem consome em nossa constante busca por um abacaxi mais doce.

Conclusão:
Seja crítico! Não aceite as coisas como são. Não leia um caso de uso e saia fazendo antes de garantir que entendeu cada detalhe.
Comunique-se! Não se esconda atrás do monitor. Mostre a cara! Peça ajuda quando necessário, não negue ajuda e não sonegue informações.
Estude! Não ache que já sabe tudo. Aquele que acha que não tem mais nada a aprender será atropelado por um jovem motivado.
Seja humilde! Não ache que só porque conseguiu resolver um bug você é estrategicamente importante para o negócio e pode ficar cheio de si por isso.
Tenha paixão! Agarre toda a tarefa com unhas e dentes e faça o melhor possível. Não esqueça: não há tarefa chata; chato é não ter tarefas.

Autor desconhecido.

terça-feira, 20 de março de 2012

Cinco atitudes vencedoras para sua carreira


Uma das grandes diferenças entre os profissionais de sucesso e aqueles que apenas “trabalham para sobreviver” é justamente esta: a capacidade de estabelecer e cumprir objetivos que são parte de uma estratégia profissional.
Reunimos cinco das principais dicas de diversos especialistas em carreira para que você também possa ter atitudes vencedoras que contribuirão para o sucesso da sua carreira:




1 – Estabeleça Metas.
Crie prazos e objetivos claros para a sua carreira.  Ao fazer isto você poderá acompanhar os resultados que estabeleceu bem como modificar algo que não tenha ocorrido como o planejado. Isto também servirá para tirar as idéias do papel à medida em que ao estabelecer uma meta para a sua carreira você terá que se comprometer realmente com isto procurando maneiras que viabilizem os seus projetos.
Lembre-se: quanto melhor detalhado este projeto maior será a visualização de tudo que precisará acontecer.

2 – Atualize-se.
Não seja vencido pelo marasmo e pelo comodismo. Não importa se você está começando sua carreira agora ou se já tem bastante experiência, se está empregado ou procurando uma nova oportunidade. Estar atualizado é sua obrigação e fator importantíssimo para a sua carreira. Pense no que você quer aprender e, principalmente, no que você precisa aprender. Este conhecimento pode estar em um livro, em um curso rápido ou até mesmo em um curso técnico ou em uma faculdade. O importante é você ter certeza que continua aprendendo coisas novas pois conhecimento nunca é demais.

3 – Participe mais.
Com certeza você já sabe que as empresas valorizam os funcionários que se mostram sempre dispostos a ajudar, colaborar, contribuir seja com esforço, com experiência ou com novas idéias. Mas diga sinceramente: o quanto você anda contribuindo para o crescimento e desenvolvimento da sua empresa e dos seus colegas de trabalho? Se a resposta for positiva, parabéns, entretanto não desanime, pois sempre é possível contribuir um pouco mais. Agora se a resposta for vaga ou negativa, é hora de mudar de atitude pois ninguém é uma ilha que viva isolado dos demais e indiferente ao que acontece em volta além de que você também está sendo avaliado por isto.

4 – Apareça (O que não é visto, não é lembrado).
Cuide de seu Networking (rede de relacionamentos). Estes contatos podem te trazer novas idéias para o seu trabalho, indicar novas oportunidades além de oferecer um rico aprendizado através da troca de experiências. É importante que você procure dar o melhor de si para o seu trabalho e a sua empresa mas isto não te obriga a se isolar do mundo lá fora. Abra as janelas e tire o pó de sua agenda, fará bem para a sua carreira e para a sua cabeça.

5 – Cuide-se.
Por mais que você seja um excelente profissional, a sua carreira pode sofrer um revés e uma queda de rendimento se sua vida particular não estiver equilibrada e os problemas começarem a afetar o seu trabalho. Cuidar da saúde física e mental, procurar ter relacionamentos sadios e harmoniosos além de se preocupar com o lazer e com o equilíbrio financeiro ajudam para que o profissional possa se dedicar integralmente ao seu trabalho dando o melhor de sua capacidade e sem estar preocupado com estas questões.
Cuidar-se é um dos pilares da empregabilidade.
Assim como o planejamento do seu trabalho diário, o futuro da sua carreira depende de um acompanhamento de metas e resultados para que sejam alcançados os objetivos estabelecidos.

Existe uma frase popular que explica a importância de se sonhar alto:
” Mire sempre na Lua, pois se errar ainda assim você estará entre as estrelas. ”



Fonte: ProfissionaldeSucesso.com.br
http://www.profissionaldesucesso.com.br/Carreira5AtitudesPositivasparaSuaCarreira/tabid/1558/Default.aspx

segunda-feira, 19 de março de 2012

Sobre Gansos em Equipes


 Quando você vê gansos voando em formação “V”, você pode ficar curioso quando às razões pelos quais eles escolhem voar desta forma. A seguir, algumas descobertas feitas pelos cientistas.




“Quando um ganso bate as asas, cria um ‘vácuo’ para o pássaro seguinte. Voando numa formação em V, o bando inteiro tem o seu desempenho 71% melhor do que se a ave voasse sozinha”.
Lição: Pessoas que compartilham uma direção comum e senso de comunidade, podem atingir seus objetivos mais rápido e facilmente. 

“Sempre que um ganso sai da formação, sente subitamente a resistência por tentar voar sozinho. Rapidamente, volta para a formação, aproveitando a “aspiração” da ave imediatamente à sua frente.” 
Lição: Se tivermos tanta sensibilidade quanto um ganso, permaneceremos em formação com aqueles que se dirigem para onde pretendemos ir e nos disporemos a aceitar a sua ajuda, assim como prestar a nossa aos outros.

“Quando o ganso líder se cansa, muda para trás na formação e, imediatamente, um outro ganso assume o lugar, voando para a posição de ponta”. 
Lição: É preciso acontecer um revezamento das tarefas pesadas e dividir a liderança. As pessoas, assim como os gansos, são dependentes umas das outras.

“Os gansos de trás, na formação, grasnam para incentivar e encorajar os da frente e aumentar a velocidade”.
Lição: Precisamos nos assegurar de que o nosso “grasno” seja encorajador para que a nossa equipe aumente o seu desempenho.

“Quando um ganso fica doente, ferido, ou é abatido, dois gansos saem da formação e seguem-no para ajudá-lo e protegê-lo. Ficam com ele até que esteja apto a voar de novo ou morra. Só assim, eles voltam ao procedimento normal, com outra formação, ou vão atrás de um outro bando.” 
Lição: Se nós tivermos bom senso tanto quanto os gansos, também estaremos ao lado dos outros nos momentos difíceis.

Gostaria que você pensasse bem nestas lições dos gansos. Leia com atenção, reflita sobre cada item, transponha-os para a sua realidade, mostre ao seu pessoal e discuta com ele. Até com os gansos podemos aprender!


Autor desconhecido.